Pandemia impõe novos desafios na gestão de pessoas: humanização e inovação são valores-chave para a retomada dos negócios - Duas Rodas

Notícias

21 de julho de 2020

Pandemia impõe novos desafios na gestão de pessoas: humanização e inovação são valores-chave para a retomada dos negócios

Maior preocupação com a saúde emocional dentro das empresas e a importância de habilidades comportamentais para manter equipes engajadas foram alguns dos assuntos debatidos em mais um dia do fórum digital DR Tá na Mesa, que contou com a participação da professora da Fundação Dom Cabral Cláudia Rososchansky e da Diretora-Presidente da Compreendo Comunicação Juliana Rodermel Joaquim. Hoje, o foco da discussão será sobre Food Service em meio à pandemia 

São Paulo, julho de 2020 – 70% das pessoas entrevistadas em um estudo realizado recentemente pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP afirmaram que gostariam de continuar trabalhando remotamente após a pandemia.  Este foi apenas um dos reflexos na nova rotina de trabalho experimentada pelos brasileiros durante o período de isolamento social. Mas, além de adotar um regime de home office, entre outros processos que tiveram que ser adaptados, os trabalhadores estão lidando com diversas questões emocionais. Do outro lado, as empresas precisaram rever rapidamente o modelo de gestão de suas equipes para se adequarem a este momento. 

“Mais do que nunca, a comunicação se tornou atividade essencial dentro das organizações. E neste cenário de incertezas, as pessoas buscam uma referência na figura do gestor. Tanto que a relação de confiança é maior com o empregador. Uma pesquisa apontou que 77% das pessoas confiam mais em seu empregador do que em outras fontes de informação”, ressaltou Juliana Rodermel Joaquim, Diretora-Presidente da Compreendo Comunicação, em mais um dia de debate no fórum digital DR Tá na Mesa – Oportunidades em Meio às Mudanças, promovido pela Duas Rodas, líder brasileira na fabricação de aromas e ingredientes para as indústrias de alimentos e bebidas, com o objetivo de estimular o debate de estratégias para recuperação e crescimento das indústrias e de transformadores neste cenário turbulento de Covid-19. 

Cláudia Rososchansky, Professora da Fundação Dom Cabral e também convidada do evento desta segunda-feira (20/7), apresentou outros dados que sinalizam as mudanças nas relações de trabalho que poderão ser observadas de agora em diante: “A pandemia nos leva a experimentar novos comportamentos e novas tendências vão se apresentando. Hoje, 50% das empresas compreendem que produtividade não depende de o trabalho ser presencial. Além disso, 80% das empresas também afirmam que o trabalho híbrido, adotando regimes mistos, será discutido, considerando o tipo de negócio e demanda”, pontuou a profissional. 

Preocupação com saúde mental deve ganhar ainda mais importância dentro das empresas

Temas como ansiedade, depressão e burnout já eram discutidos, mas serão amplificados durante e após a pandemia. 

“A questão da saúde mental estará cada vez mais presente, pedindo atenção e cuidado, inclusive para que haja menos preconceito para lidarmos com esses problemas, tanto nos ambientes organizacionais como na sociedade. É um alerta importante para que as empresas se estruturem para oferecer este apoio psicológico”, afirmou Cláudia. 

Gestão de pessoas 4.0

Outra tendência que se acelerou no dia a dia de trabalho com a pandemia foi a de automatização de processos, que garante mais autonomia para os colaboradores e ajuda a reduzir custos para as empresas. 

“Em meio a tudo isso, há profissionais sendo contratados, participando de processos de integração de maneira virtual. Isso vem acontecendo e todos tiveram que se adaptar. São mudanças que trazem agilidade e é algo irreversível. Mas também traz reflexões. Passamos a nos perguntar como queremos viver, que tipo de trabalho queremos, se precisamos morar na mesma cidade onde trabalhamos”, acrescentou a professora. Segundo ela, isso levanta outras questões organizacionais, como por exemplo, as maneiras de avaliar os resultados dos colaboradores. Para que funcione, Claudia reforçou que será fundamental ter clareza de propósito e métricas bem definidas, entre outras ferramentas que possibilitem uma gestão efetiva. 

Manter as equipes engajadas à distância foi outro aspecto desafiador dessa crise, mas que pode ser contornado com o auxílio da tecnologia para aproximar as pessoas. A Presidente da Compreendo cita a importância de manter os colaboradores informados por meio dos canais digitais das empresas, mas também exercitar a liderança e preparar esses líderes para se comunicarem com seus times. Reconhecer os funcionários por meio de feedbacks e promover celebrações virtuais de pequenas e grandes conquistas, tanto da empresa como das pessoas, são práticas igualmente importantes. 

“De uma coisa todos temos certeza: independentemente do cenário futuro, ainda precisaremos trabalhar em equipe para buscar novas soluções. Dessa forma, conhecer novas metodologias para respostas mais rápidas e ágeis é fundamental para a sobrevivência de qualquer negócio”, avaliou Juliana.

As competências mais valorizadas nas relações profissionais 

Para relações de trabalho mais saudáveis, as habilidades comportamentais serão fundamentais. “Comunicar com empatia, ter capacidade de se reinventar e ser resiliente são algumas dessas competências”, listou a executiva. 

Cláudia concordou e adicionou a autogestão, a cooperação e a flexibilidade como outras qualidades necessárias no cenário que vivemos. Além disso, uma postura cada vez mais voltada para o empreendedorismo, o que nas empresas é chamado de intraempreendedorismo, também ganha força.

Já em relação aos líderes, as profissionais destacaram a importância de perfis que saibam construir uma comunicação empática, que se interessem pelas pessoas e entendam as realidades distintas dos colaboradores e suas necessidades. 

“Menos julgamento e mais compreensão. Não dá para falar em liderança, em gestão de pessoas, sem falar em ressonância afetiva. O papel do líder é ajudar a diminuir incertezas, definindo prioridades, se comunicando com transparência com sua equipe. Nosso cérebro pode interpretar este momento desafiador que vivemos como uma ameaça ou uma oportunidade, e é a liderança quem convida suas equipes a enfrentarem esse desafio por uma perspectiva ou por outra. É necessário empoderar as pessoas para que elas construam soluções conosco, tomando decisões mais compartilhadas”, indicou Cláudia. 

Para Juliana, este também é o momento de reforçar a cultura das empresas, praticando valores que sempre nortearam as organizações. Ela destacou que empresas com esse olhar estratégico para o ser humano, que cuidam de verdade das pessoas que fazem seu negócio existir, são aquelas que, com certeza, sairão mais fortalecidas. “Até porque as pessoas podem esquecer dos dias ruins que viveram em função da pandemia, mas jamais esquecerão da maneira como foram tratadas”, analisou

Este cuidado, de acordo com ela, se reflete na experiência do funcionário com a marca e consequentemente na experiência do cliente, afinal, um colaborador satisfeito com a empresa onde trabalha leva essa experiência para fora dela. 

Este cuidado com o ser humano pode ser notado na maneira com que a empresa cuida do ambiente, proporcionando um lugar seguro para que os funcionários executem seu trabalho e oferecendo apoio psicológico ou mesmo médico quando necessário; e ainda no incentivo à inovação, convidando as pessoas a repensarem os processos e até os produtos da empresa em conjunto. 

“Por isso, humanização e inovação são valores-chave para a retomada dos negócios nesse momento de mudanças”, reforçou Juliana. 

Programação continua até quarta-feira, dia 22/7

Nesta terça-feira, dia 21/7, o Fundador da Food Consulting e referência nacional em Food Service, Sérgio Molinari, é o palestrante convidado para abordar “Food Service em foco: novas perspectivas para a retomada no pós-Covid”. Ele irá apresentar oportunidades para o canal, que sofreu grande impacto neste período de pandemia, a partir de perspectivas para o mercado, comportamento do consumidor e pontos de atenção para os estabelecimentos. 

No último dia da programação do DR Tá na Mesa, nesta quarta-feira (22/7), o fórum será dedicado à discussão sobre “A inovação não pode parar”, questão altamente estratégica para a sobrevivência dos negócios principalmente em períodos de crise.

O assunto será explorado pela Head de Inovação da Tacta Food School, Cristina Leonhardt, e pela Gerente de P&D – Inovação Plant Based na Seara Alimentos, Renata Nascimento.

Desde a semana passada, profissionais reconhecidos internacionalmente têm compartilhado conhecimentos e debatido temas de grande impacto para o setor, especialmente, neste momento:

– “Mercado e tendências: um novo olhar para alimentos e bebidas”. Palestrantes: a Gerente de Contas da Nielsen, Caroline Borba, e a Analista de Tendências Sênior da Mintel, Vanessa Rondine,

A conexão entre marca e consumidor para fortalecimento em tempos de crise”. Palestrantes: Presidente para a América Latina da Kraft Heinz, Pedro Navio, e a Consultora Camila Renaux, premiada profissional de Marketing Digital.

Superando os desafios financeiros e aproveitando as oportunidades tributárias no momento atual”. Palestrantes: Professor da Fundação Dom Cabral, Vinicius dos Passos, e o Sócio da MMD Advogados & Associados, Patrick Mercer.

“Do físico ao digital: encontre seu cliente em todos os canais”. Palestrantes: Consultor especialista em Trade Marketing, Rubens Sant’Anna, o Head de E-commerce da Nestlé, Guilherme de Almeida.

Confira destaques dos debates da primeira semana do fórum digital DR Tá na Mesa no link: https://www.duasrodas.com/noticias/

Para acompanhar a programação do DR Tá na Mesa, a inscrição, gratuita, deve ser feita pelo link: https://bit.ly/38ngzP6!

Saiba mais sobre o palestrante desta terça-feira:

Sergio Molinari – Fundador da Food Consulting

Fundador da Food Consulting, especializada em Foodservice, atuando em inteligência de mercado, consultoria em go-to-market, aconselhamento estratégico, fusões & aquisições, cursos e palestras. Criador e professor do curso Gestão Estratégica de Foodservice na ESPM-SP e do curso Foodservice para a Indústria de Alimentos na ABIA. Parceiro regular das principais entidades do Foodservice brasileiro. Possui um canal no YouTube: “Foodservice com Sergio Molinari”. É articulista da Revista Foodservice News e colunista do site Bom Gourmet. É curador e responsável pela realização de Missões Nacionais e Internacionais no mercado de Foodservice, destacando os principais eventos mundiais do setor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *