Renda extra: aprenda como precificar doces para vender com boa margem de lucro - Duas Rodas

Notícias

11 de dezembro de 2020

Renda extra: aprenda como precificar doces para vender com boa margem de lucro

A empreendedora e confeiteira Tábata Romero ensina sete passos para transformar doces em renda no Meu Plano D, plataforma de cursos gratuitos

Iniciar um negócio, além da oportunidade de gerar renda, estimula o empoderamento e o crescimento da autoestima, sobretudo em tempos de crise, em que iniciativas precisam ser tomadas para manter as contas em dia. Para obter sucesso, é fundamental ter lucratividade e o primeiro passo é precificar adequadamente o produto.

Por isso, a empreendedora e confeiteira Tábata Romero, que se tornou sucesso nas redes sociais por influenciar mulheres a conquistarem a independência financeira, apresenta todos os passos para iniciar o negócio. O conteúdo é da plataforma de cursos gratuitos Meu Plano D e ensina como saber o  custo do produto e o valor da mão de obra, como obter lucro e fazer a organização financeira, essencial para o reinvestimento e a continuidade do negócio, além de compartilhar planilhas e fórmulas simples para ajudar a fazer os cálculos.

Confira abaixo sete dicas para precificar doces para a venda:

1 – Faça a conversão da receita. É o primeiro passo da precificação e deve considerar todos os ingredientes em gramas, em vez de xícaras e colheres, que devem ser devidamente pesados. O açúcar e a farinha, que vêm em quilos no pacote, devem ser convertidos em gramas também. No caso de litros, leve em consideração que 1 litro pesa 1kg, ou seja, 1000gr.

2 – Crie a ficha técnica da receita: Para entender o custo real da receita, é necessário criar uma tabela com cinco colunas, divididas em: (A) ingredientes, (B) peso da embalagem fechada, (C) preço da embalagem fechada, (D) quantidade utilizada e (E) preço final. Para chegar ao preço final, use a seguinte fórmula na calculadora do próprio celular: D vezes (x) C dividido (÷) por B resulta (=) em E para cada ingrediente. No fim, some o total para chegar ao preço final da receita completa. Dica: leve em consideração a quantidade precisa de produtos que é utilizada na receita.

3 – Definição do preço de venda da receita. É necessário considerar o custo inicial da receita e adicionar 25% para os gastos incalculáveis, como água, energia elétrica e até mesmo o detergente usado para lavar a louça, e a taxa de desperdício, como um pedacinho de bolo que pode ficar preso na forma. Agora, multiplique por três para incluir a mão de obra e o lucro. Assim, estão cobertos todos os investimentos realizados na receita. Quando as receitas possuem rendimento por porções, é necessário dividir o total pelo número de unidades para obter o preço mínimo de cada um. Por fim, adicione o custo integral da embalagem.

4 – Avaliação da estimativa de preço e lucro. Ainda que o custo mínimo do produto seja em torno de R$ 1 para cada unidade, é recomendado avaliar os preços praticados na região para chegar à margem de lucro. Dica: nunca precifique abaixo do preço de venda da receita, caso contrário, não existirá lucratividade.

5 – Revenda. Caso você queira ampliar a produção e a distribuição dos seus produtos, encontre um parceiro que possa oferecê-lo aos seus clientes. O revendedor pode vender pelo preço que você já comercializa ou mais caro. Para se chegar ao custo mínimo para a revenda, é necessário dividir o custo final da receita por três, levando em consideração que o lucro, mão de obra e os ingredientes estão incluídos e dar desconto a partir da fatia de lucro. Não se esqueça de repassar também o custo da embalagem. A revenda é uma ótima alternativa, pois se perde um pouco da fração do lucro, mas se ganha na venda em escala.

6 – Como organizar o reinvestimento. Para o crescimento do negócio, é necessário organizar o valor total acumulado a partir das vendas. O primeiro passo é dividi-lo por três, considerando os custos, a mão de obra e o lucro. A parte correspondente aos custos pode ser alocada   para a compra de novos ingredientes, enquanto a de mão de obra pode ser destinada para o pagamento das contas de água, luz e outras que fazem parte da produção. Já a fração de lucro pode ser investida para o crescimento do negócio. O gerenciamento financeiro evita que o dinheiro necessário para a compra de novos ingredientes seja diluído em meio a outros gastos pessoais, inviabilizando o negócio.

7 – Faça cursos e se aperfeiçoe. Invista tempo aprendendo novos recursos e aperfeiçoe suas técnicas. Uma excelente alternativa para quem deseja conhecer ou se especializar no mercado de doces é a plataforma de cursos gratuitos Meu Plano D. Basta acessar a plataforma para ter acesso às videoaulas, que têm duração entre 10 e 20 minutos. Nos cursos, é possível absorver inspirações, técnicas, dicas e receitas desenvolvidas e testadas por especialistas para uma nova jornada empreendedora. O curso de precificação completo está disponível na plataforma, além de outros, como boas práticas de produção, receitas diversas e técnicas para vender os seus doces usando as redes sociais.

Sobre o Meu Plano D

Meu Plano D é uma plataforma com cursos gratuitos, que equilibra conteúdos de conhecimento teórico e prático de maneira simples, a partir de inspirações, técnicas, dicas e receitas desenvolvidas e testadas por especialistas para uma nova jornada empreendedora, transformando doce em renda. A intenção é transformar a vida das pessoas, gerando oportunidades e tornando em realidade o sonho do próprio negócio no segmento de doces e confeitaria. A iniciativa é da Selecta Chocolates e da Mix, marcas de ingredientes de confeitaria e chocolataria da Duas Rodas, empresa líder brasileira na fabricação de aromas e produtos para a indústria de alimentos e de bebidas. Para mais informações sobre os cursos, acesse: www.meuplanod.com

Sobre a Duas Rodas:

Presente em mais de 30 países, a Duas Rodas atua há 95 anos na fabricação de ingredientes para as indústrias de alimentos e de bebidas no Brasil e no mundo. Com mais de 10 mil clientes, a empresa possui um portfólio com cerca de 3 mil itens divididos em três grandes mercados: o de Flavors, com aromas, extratos naturais, desidratados, condimentos e aditivos e soluções integradas; o de Food Service, com produtos de sorvetes, chocolates, confeitaria e panificação, com as marcas Specialitá, Selecta e Mix; e o de Animal Nutrition, com ingredientes de nutrição animal da marca Statera. Líder brasileira na fabricação de aromas e produtos para a indústria de alimentos e de bebidas, a Duas Rodas foi fundada por imigrantes alemães em Santa Catarina, onde funciona ainda hoje sua sede principal. A companhia conta atualmente com outras duas fábricas no Brasil (Sergipe e São Paulo), quatro na América Latina (Argentina, Chile, Colômbia e México), além de sete centros de pesquisa e desenvolvimento e um Innovation Center. Sustentabilidade é uma das estratégias de atuação da empresa, que conta com produtos com certificações internacionais Kosher, Halal, Produtos Orgânicos e Fair for Life, além de FSSC 22000 e SMETA. 

Informações para a imprensa:

Press à Porter Gestão de Imagem

Telefone: 11 95081-7522Vanessa Decicino (vanessa@pressaporter.com.br)

Compartilhe: