Longevidade Ativa e Nutrição Adequada

setembro 28, 2022

Tempo de leitura6 minutos

Graças a mudanças sociais, econômicas, de saúde e de educação, as pessoas com mais de 60 anos tem vivido a longevidade ativa através da nutrição adequada.

A chamada “Geração Prateada” possui diversos outros hábitos focados no envelhecimento saudável.

Atualmente, esse público – que não gosta de ser chamado de idoso – representa quase 18% dos brasileiros e é responsável por cerca de 20% do consumo no país.

Os números significativos que, segundo projeções da OMS, só tendem a aumentar nas próximas décadas.

Mesmo assim, os “maduros”, como preferem ser nomeados, relatam que se sentem negligenciados por alguns setores, inclusive pelo de alimentos e bebidas.

Então, uma percepção que serve de alerta e que cobra um novo olhar das marcas para melhor compreender essa fase da vida nesse novo tempo e atender as suas necessidades.

O CONCEITO DE LONGEVIDADE ATIVA

É preciso ressignificar a forma de se envelhecer e a nutrição adequada é parte fundamental desse processo.

A “longevidade ativa” é um dos termos que mais representam essa nova mentalidade. Então, segundo a OMS, traduz-se como “o processo de desenvolvimento e manutenção da capacidade funcional que permite o bem-estar em idade avançada”.

Sendo assim, os idosos estão cada vez mais em busca de estilos de vida que permitam sua participação ativa em diversas áreas.

Portanto, a geração prateada não quer ser encarada como um peso para os outros, mas, sim, como contribuintes da sociedade, pessoas com saúde e independentes. 

A IMPORTÂNCIA DA NUTRIÇÃO ADEQUADA

Logo, para um envelhecimento ativo, é essencial a incorporação de hábitos saudáveis na rotina.

Cuidados como estes trazem uma série de benefícios para a saúde e a integridade do organismo, como uma melhor saúde mental, noites de sono com mais qualidade, maior disposição, controle de peso, fortalecimento da imunidade e melhora do humor.

Nesse sentido, a nutrição adequada tem um papel fundamental, já que, para funcionar adequadamente, nosso corpo demanda diversos nutrientes específicos.

Por exemplo, o cálcio e a vitamina D para a saúde dos ossos, as fibras para o intestino e as proteínas para os músculos. 

NUTRIENTES CHAVES 

É preciso lembrar que o envelhecimento está associado à senescência, que é o processo natural de uma variedade de mudanças que ocorrem no corpo com o passar dos anos, como a menor produção de colágeno e menor acidez estomacal, entre outras.

Nesse processo, algumas dessas alterações fisiológicas podem tornar o organismo propenso a deficiências nutricionais. A ingestão da quantidade adequada de alguns nutrientes se torna ainda mais importante

– Fibras: com o envelhecimento também ocorre uma redução da motilidade intestinal, sendo os idosos mais propensos à constipação.

As fibras podem auxiliar no funcionamento adequado do intestino e evitar esse processo.

Além disso, as fibras solúveis, como as betaglucanas, podem ser aliadas na redução da glicemia e do colesterol.

– Vitamina B12: nessa fase, também é possível ocorrer uma dificuldade de absorção de alguns nutrientes, como a vitamina B12, que pode levar à  anemia, fraqueza e fadiga.

– Cálcio e vitamina D: adultos mais velhos precisam dar mais atenção ao consumo de cálcio e vitamina D para manter ossos fortes e saudáveis, prevenindo a osteopenia (diminuição de massa óssea), que pode levar até à osteoporose, reduzindo também os riscos de quedas e fraturas. 

– Potássio: é responsável por diminuir a quantidade de sódio no organismo e também age no combate à prisão de ventre.

É comum que idosos tomem remédios para controlar a hipertensão, medicamentos que normalmente têm função diurética e ocasionam a perda desse mineral.

– Ômega 3: alguns outros nutrientes são importantes nessa fase, como os antioxidantes e o ômega 3, que além de anti-inflamatório, faz bem à saúde cerebral.

– Proteína: nutriente essencial para a formação, manutenção e saúde dos tecidos do corpo, como pele, cabelos, unhas e músculos.

Porém, com a  idade avançada, ocorre um aumento da perda de massa muscular, também chamado de sarcopenia, tornando uma nutrição adequada com o consumo de proteínas fundamental.

MASSA MUSCULAR E SARCOPENIA

Uma das alterações fisiológicas mais comuns associadas ao envelhecimento é a sarcopenia.

Trata-se de uma síndrome caracterizada pela perda generalizada e progressiva da massa muscular, força e qualidade do músculo.

Pode comprometer a qualidade de vida dos adultos mais velhos.

Atualmente, a sarcopenia acomete cerca de 5% a 13% das pessoas com mais de 60 anos e até 50% de quem tem mais de 80 anos.

No Brasil, as mulheres são mais afetadas que os homens (20% contra 12%). 

Devido à imensa demanda, essa é uma área que vem exigindo inovação em nutracêuticos e suplementos.

Isso porque nem sempre é possível atingir todas as necessidades a partir da alimentação.

Os suplementos são uma ótima alternativa para adequar e reforçar a quantidade de nutrientes para o corpo. 

Segundo a empresa de pesquisa de mercado Euromonitor International, fortalecimento e resistência são os principais motivos pelos quais as pessoas com mais de 60 anos consomem suplementos alimentares.

No entanto, há diversos outros efeitos que podem ser explorados.

Como fortalecimento da imunidade, da saúde óssea, articular, muscular, cognitiva, cardíaca, cutânea, ocular e digestiva.

Então, uma grande indústria de alimentos, por exemplo, investiu na produção de suplementos alimentares e conquistou um crescimento expressivo em seus resultados.

Ao todo, as linhas da marca aumentaram em 39% as suas vendas no primeiro semestre de 2020, quando comparadas ao mesmo período de 2019.

No recorte da marca exclusiva para idosos, o crescimento foi de 43,4% enquanto o mercado teve uma elevação de 23,4%, segundo dados da empresa e da consultoria Nielsen.

Então, outras estratégias de inovação que os fabricantes de alimentos estão desenvolvendo são produtos, como géis, bebidas lácteas e iogurtes com nutrientes importantes para ossos, músculos, articulações e cognição, como proteína, colágeno, cálcio, vitamina D, sem lactose. Confira alguns deles.

BAKOMA SENIOR ACTIVE SABOR PEACH
Em março de 2018, a empresa de lácteos polonesa Bakoma lançou uma linha de iogurte para seniores. São bebidas lácteas que não contêm lactose e são enriquecidas com cálcio e vitamina D.
PROTEÍNA ON THE GO EM GEL
Nos Estados Unidos, a marca PRONATIV, da Lactalis Ingredients, desenvolveu um gel de frutas com alto valor proteico, feito com 10% de proteína de soro de leite nativa de alta qualidade.
BOOST DRINK
A Nestlé, na Europa, lançou a Boost, bebida com alto teor proteico, que aporta 27 vitaminas e minerais. Contém 20g de proteínas, cálcio, magnésio, vitamina D, vitaminas do complexo B, vitaminas C e D, zinco, ferro e selênio.
SHAKE NATURAL
A Purition é uma marca britânica que fabrica shakes de proteínas sem micronutrientes isolados, apenas ingredientes alimentícios integrais naturais, como sementes e oleaginosas.

Então, mesmo que ainda carente de produtos específicos, o mercado para a terceira idade revela-se um universo de oportunidades. Ou seja, um excelente cenário para criar e inovar! 

Gostou? Compartilhe este conteúdo!