Tempo de leitura: 4 minutos

De olho nesse comportamento, marcas investem em opções sem álcool e bebidas com sabores diferenciados, ou com teor alcoólico reduzido. 

Em contraponto aos baby boomers (1945 a 1964) e à geração X (1965-1979), os Zs (a partir de 1995) estão reduzindo o consumo de álcool, como apontam consultorias de tendência e inteligência de mercado. Comparado às gerações anteriores, esse grupo é o que menos bebe. 

O comportamento já era observado em parcela dos Millennials (Geração Y/1980-1995), no entanto, o número de adeptos entre os Zs é maior. De acordo com um relatório da Innova Market Insights, um terço dos consumidores de 18 a 25 anos afirmou nunca ter consumido álcool.

Uma pesquisa da Pattern Data Science, associação de estudo para estudantes de ciência de dados dos Estados Unidos, analisou o comportamento de compra dos consumidores na Amazon e identificou que, entre janeiro e julho de 2021, houve aumento de 60% na demanda por bebidas não alcoólicas nos Estados Unidos, em comparação com o mesmo período de 2020. Já a demanda de cerveja sem álcool cresceu 85%. 

Os dados sinalizam para uma mudança no consumo de bebidas alcoólicas, mesmo que isso aconteça de maneiras diferentes em cada região do mundo. O consumo não é mais pautado pelo exagero e esse comportamento está conectado com outra forte tendência: a busca por um estilo de vida mais saudável e pelo bem-estar.

Um movimento que abre espaço para novas categorias, sejam de drinks não alcoólicos mais elaborados ou de versões com redução de álcool para atender a este público. Atenta a este cenário, a indústria, em especial em países da Europa e nos Estados Unidos, já começa a oferecer soluções para esse público. 

De acordo com a revista inglesa The Economist, “as grandes companhias de bebidas estão expandindo suas ofertas com baixo ou nenhum teor alcoólico, e isso se aplica a cerveja, vinhos e licores. A inovação nesse campo está florescendo. Quase 50% das marcas da Heineken, por exemplo, têm uma versão sem álcool. Em muitos países ocidentais, essas alternativas ainda são novidade, mas as vendas vêm crescendo rapidamente. Na Alemanha e na Holanda, países que adotaram logo no início a prática, as cervejas sem álcool constituem 10% das vendas da bebida”, afirma a reportagem.

Segundo dados da IWSR, empresa de dados e análises sobre o mercado de bebidas, o segmento de bebidas não-alcoólicas chegou a 3% de mercado em 2020 e deve crescer 31% até 2024.

Outro dado sobre os lançamentos dessa categoria vem da Innova Market Insights, que constatou que 4% de todas as cervejas e destilados lançados globalmente em 2021 não continham álcool. 

A vez das seltzers

Com baixo teor alcoólico, o consumo das hard seltzers cresceu na esteira dessa tendência. Hard seltzer é uma bebida produzida com álcool de cana ou de cereais, água gaseificada e suco de frutas, vendida normalmente em latinhas. Seu teor alcoólico varia entre 3% e 5%. Foi criada nos Estados Unidos em 2013 e chegou ao Brasil em 2019.

Segundo a ISWR, em 2019, as seltzers já tinham ultrapassado a vodca como a bebida destilada mais consumida nos Estados Unidos.

Um levantamento feito pela Nielsen, empresa global de informação e dados, aponta que, em 2018, havia apenas dez marcas de hard seltzers disponíveis nos supermercados dos EUA. Atualmente, são mais de 60 marcas. 

Ainda de acordo com a Nielsen, as hard seltzers são mais populares entre consumidores de 21 e 44 anos. Outro atrativo é terem baixa quantidade de calorias: uma latinha de 350ml tem 70 calorias.

Confira algumas opções de hard seltzers:

Brisa
Brisa, da brasileira Sol Bebidas. Disponível em latinhas de 310ml nos sabores limão, abacaxi com hortelã e melancia com gengibre.
Hintz
Hintz, da brasileira Three Monkeys. Vendida nos sabores berries, citrus, fresh e tropical, com 5% de teor alcoólico.
Jovi
Outra opção nacional é a Jovi, disponível nos sabores morango, tangerina, limão e abacaxi. Tem teor alcoólico de 4,5% e 42 calorias a cada 100 ml.
Topo Chico
Topo Chico, hard seltzer da Coca-Cola.
Hard Mtn Dew
Hard Mtn Dew, hard seltzer da Pepsi em parceria com a The Boston Beer Company.

Mais lançamentos com teor reduzido de álcool ou zero álcool

A startup Famiglia Griffo lançou, em 2021, um destilado botânico à base de ervas e frutas frescas, o Brizê. O drink tem teor alcoólico de 20%, o que, a título de comparação, é menos da metade da graduação de um gin. E são apenas 62 calorias por 50ml, o que também é um atrativo para o público mais preocupado com a ingestão de calorias.

Nesta onda de baixo teor de álcool há também quem se inspire no sabor das bebidas clássicas para apresentar alternativas ousadas sem álcool. É o que fez a norte-americana Ritual Zero Proof, que lançou recentemente coquetéis sem álcool comversões Whisky, Rum, Gin e Tequila.

O movimento crescente dos consumidores mais jovens por bebidas com baixo teor alcoólico ou sem álcool oferece um amplo universo de oportunidades para marcas interessadas em atender a este mercado. Criatividade, ousadia e propostas voltadas à saúde podem ajudar a impulsionar a sede do consumidor por novas versões destas bebidas, que estão em alta.

Facebook Comments Box
Compartilhe o conteúdo
Queremos te ouvir! Comente!