Tempo de leitura: 4 minutos

Especialista em inovação da Nielsen, Juliana Pitol, fala sobre cuidados e estratégias para assegurar assertividade, diferenciação e sucesso no lançamento de produtos no mercado


A inovação é determinante para a sobrevivência de uma empresa no mercado e para garantir sua relevância para os consumidores. Mas como transformar uma ideia inovadora em um produto de sucesso? Como fazer com que ela se destaque em um oceano de novidades?

Cerca de 20 mil produtos nos mais diversos segmentos são lançados anualmente na América Latina, porém 50% deles deixam de existir no ano seguinte, conta Juliana Pitol, Innovation Business Partner da Nielsen Brasil.

De acordo com ela, a explicação para esse fenômeno é simples: a indústria oferece produtos com conceitos que não atendem aos reais desejos e necessidades dos consumidores. Os lançamentos podem até ser inovações, mas não são os produtos que o consumidor quer comprar.

“É preciso que a marca leia o seu mercado, entenda quem são os seus consumidores, que estão cada vez mais exigentes. Qualquer lançamento tem que ser relevante para o consumidor. Quando ele compra um produto, está contratando uma marca para que ela resolva um problema, um desejo, uma necessidade dele”, reforça Juliana. “Então, quanto antes você envolver o consumidor no desenvolvimento de seu produto, da sua ideia, da sua estratégia de ativação, maiores são as chances de sucesso no mercado.”

A especialista em inovação na Nielsen alerta que, quando os lançamentos são da área de alimentos, as exigências são ainda maiores:

“É fundamental ter clareza nas informações para chamar a atenção do consumidor, explicar o porquê o seu produto é diferente e relevante, além de oferecer toda a transparência e credibilidade que ele procura”.

Além de pesquisar as necessidades do consumidor, questionar se aquele produto é capaz de se diferenciar, é preciso que as indústrias de alimentos e bebidas pensem em todas as etapas de desenvolvimento, lançamento e distribuição, alinhando estratégias do início ao fim do processo, para ter mais chances de sucesso com seus lançamentos.

Para maximizar a inovação, as marcas devem estar atentas a alguns preceitos, como:

 

antenna, conection, router, signal, wifi, wireless iconMonitoramento de tendências globais de consumo;
analytics, figures, profile, statistics iconIdentificação de um problema real do consumidor, e capacidade de traduzir a ideia em um produto que esteja alinhado à expectativa de compra;
icone trófeu, trophyComunicação com clareza e foco dos diferenciais do produto para que o consumidor consiga perceber e entender o benefício;
market, shop, store iconEndereçamento e posicionamento do produto de forma eficiente no PDV;
dartboard, goal, search, target iconPrecificação correta;
birthday, gadget, gift, present iconExcelência no design da embalagem, uma vez que 65% dos consumidores dizem que compraram/comprariam produtos só por causa da embalagem (Nielsen).
business, device, figures, laptop, statistics, technology icon Plano de comunicação e investimento em mídia a longo prazo.

 

Além disso, é preciso disseminar a cultura de inovação em todos os departamentos da empresa e implementá-la em todos os processos. Juliana defende que, ter uma cultura de inovação, que vem dos líderes do negócio, é o caminho para maior assertividade aos lançamentos. Todos precisam estar comprometidos e alinhados em busca da melhoria e da excelência, defende.

Ela acrescenta que o sucesso do produto não exige que ele seja uma grande inovação:

“Mas a proposta deve ser atrativa para o consumidor, para que ele diga: isto é importante para mim.”

Este olhar atento às necessidades que o consumidor expressa em seu estilo de vida, valores e escolhas cada vez mais conscientes é um dos aspectos fundamentais que já inspira a indústria de alimentos e bebidas preocupada com o desenvolvimento de tecnologias e soluções voltadas à alimentação do futuro.

Atualmente, a macrotendência de comportamento da busca por saudabilidade e bem-estar é um destes desejos crescentes dos consumidores em todo o mundo e está desafiando as indústrias de alimentos e bebidas a ampliar seus portfólios de soluções com combinações criativas e saborosas que atendam aos apelos de saudabilidade sem abrir mão da indulgência.

Para atender cada vez melhor essas necessidades, a inovação deve estar voltada para o consumidor e pode estar presente para além do desenvolvimento de produtos, em todas as etapas até a chegada do produto final na gôndolas, ampliando assim suas chances de sucesso no mercado.

Compartilhe o conteúdo
Queremos te ouvir! Comente!